Babel – Resenha Crítica

RESENHA CRÍTICA DO FILME “BABEL”
por Rodolfo Lima – Jornalista, ator e crítico de cinema –
e-mail: dicaspravaler@yahoo.com.br

FILME BABEL
BABEL – (Foto Divulgação)

CRÍTICA – BABEL – “Eu não sou má, eu só cometi uma idiotice”. A fala da personagem Amélia, talvez sintetize o que o novo filme de Alejandro González Iñárritu nos mostra. Estamos há mercê do acaso, sujeitos há erros que reverta todo os nossos sonhos e objetivos.

Diferente de “21 gramas”, onde o discurso verborrágico, contestava Deus e as nossas ações permissíveis por ele. Babel não culpa ninguém diretamente. Ou seja, “não dá nome aos bois”, simplesmente porque não há a quem culpar, há não ser nós mesmos. O resultado é uma visão decadente, pessimista e desastrosa da globalização, que além de segregar, massacra.
E não importa se você mora nos EUA, em Marrocos, no Japão ou no México – O simples fato de você ser uma “marionete” solta na vida, faz com que se iguale a qualquer ser humano.

Cate Blanchett, Brad Pitt e Gael García Bernal, encabeçam um elenco que ganha força com as atuações do garoto marroquino, da adolescente japonesa e a babá mexicana (Adriana Bazarra) reais protagonistas de uma história onde não existem concessões e nem finais felizes.
Pitt e Blanchett, são um casal em crise a passeio por Marrocos. Alvos de uma bala perdida e dá intolerância do homem – Seja política ou moral. Todos nós temos medo – Todos nós queremos nos salvar. Uma população marroquina serve como exemplo dos rótulos impostos a toda uma civilização.

Os dois garotos marroquinos que brincam com uma arma e a garota surda, que enfrenta problemas na juventude, traçam um paralelo da juventude atual: armas, drogas, baixa-estima, ociosidade e impulsividade. É de perder a respiração o impacto da última cena de um dos garotos.

A babá mexicana de crianças americanas surge como uma anti-heroína, que quebra regras e paga caro por isso. Impedida de ir ao casamento do filho – justamente pela bala perdida que atingiu a patroa – Amélia decide cruzar a fronteira (EUA/México) com os filhos dos patrões. Lembra da novela América? Há tempos não se via uma atriz chorar tão comovidamente no cinema. Adriana Bazarra – como a babá – é impagável.

Com uma narrativa não linear, chocando e mesclando culturas e intercalando as histórias de uma maneira ágil (apesar dos seus 142 minutos), Iñárritú nos proporciona cinema de pura qualidade. Digo isso porque a veracidade com que a história nos é retratada faz com que o filme se torne atemporal.

“Amores Brutos”, “21 gramas” e “Babel”, os filmes da dupla Alejandro González Iñárritu e Guillermo Arriaga – roteirista – são imprescindíveis para se entender o mundo atual, as questões que afligem o homem moderno e as conseqüências que acumulamos na vida.
Merecidamente, ganhou o prêmio de melhor diretor em Cannes e caso concorra ao Oscar® de melhor Filme estrangeiro (já que mistura várias línguas), não haverá “cinemas”, “urubus” e nem “aspirinas” que dê jeito. De longe um dos melhores filmes do ano.

Título Original: Babel
Gênero: Drama
Duração: 142 min.
Ano: EUA – 2006
Distribuidora: Paramount Vantage/UIP
Direção: Alejandro González Iñarritu
Roteiro: Guillermo Arriaga

FILME BABEL
Cena do Filme “BABEL” (Foto Divulgação)

FILME:

Ótimo:
Bom:
Regular:

Crítico: Rodolfo Lima – Jornalista, ator e crítico de cinema – e-mail: dicaspravaler@yahoo.com.br

Mais informações, acesse: http://www.cranik.com

Published in: on 7, abril 2008 at 7:47 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://cinemagister.wordpress.com/2008/04/07/babel-resenha-critica/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: