MANUAL DO ROTEIRO: Os fundamentos do Texto Cinematográfico

by Fernando Ruiz Gobbo
Curso: Marketing & Propaganda

O autor Syd Field, roteirista autônomo, escritor-produtor, ocupa cargos de grande importância dentro de grandes produtoras cinematográficas e já esteve envolvido com produções de centenas de filmes longas-metragens, dentre eles, O Poderoso Chefão.

Já ministrou um curso de roteiro em Hollywood, numa escola profissionalizante onde os professores eram obrigatoriamente profissionais da área.

No livro Manual do Roteiro, procurou descrever os conceitos considerados por ele, básicos e fundamentais na estrutura de bons roteiros.

A primeira parte do Livro decorre basicamente sobre o paradigma de um roteiro. Pregando a sua funcionalidade e posicionando o mesmo como o fundamento para um bom roteiro.

Relaciona-o como uma Forma, que implica semelhança, e não como uma Fórmula, idêntica, para a criação de bons filmes.

E ensina a estruturar com início, meio e fim sendo respectivamente a apresentação dos personagens (Ato I) e da idéia inicial, seguida pela confrontação (Ato II) onde ocorrem os obstáculos do personagem principal e por fim a resolução do filme (Ato III) que decorre sobre o objetivo, se foi cumprido ou não, morreu ou não morreu no final, etc.

E também ensina como interligar esses Atos (I, II e III), quando devem e como devem mudar de um para o outro. Ele chama essas ligações de Ponto de Virada, dando foco a uma ação que pede então a mudança do rumo da historia.

Dá dicas sobre como montar o assunto e personagens do filme, explicando a importância de cuidados sobre pesquisas e da responsabilidade primordial do escritor em achar um assunto/fato que instigue as primeiras idéias.

Defende uma regra: Quanto mais você sabe, mais pode comunicar. Ou seja, quanto mais você estuda e pesquisa seu assunto e personagens, mais consegue escrever sobre eles.

Cita o personagem principal como o coração, alma e sistema nervoso da historia. E aconselha estabelecer os componentes da vida dele, interna (sexo, idade, temperamento…) e externa (amigos, feliz emprego) e só assim criar a sua essência, a ação.

Fala do Inicio e Fim da historia de forma interligada. Diz que para saber a melhor forma de criar um inicio para o filme é preciso saber: Como ele vai terminar? Qual o final? Assim você já sabe qual caminho seguir na criação. E ainda alerta que as dez primeiras páginas são as que carregam o peso sobre boa historia ou má, se vai ser interessante ou não, tanto para você como para produtores.

A melhor apresentação deve ser nítida mostrando imediatamente o personagem principal, do que se trata o filme e as circunstancias que rodeiam a ação do inicio até a sua conclusão, de forma linear.
A seqüência sobre a apresentação forma um sistema, ou seja, partes específicas relacionadas e unificadas por diversas ações, o esqueleto do roteiro. Todas unidas por uma única idéia.

Fala também da Cena. Ela é encarregada de tornar um filme inesquecível, faz parte dos acontecimentos: Tempo e Lugar.

A cena detalhadamente representa, onde acontece, a que horas do dia, na rua, em qual lugar? Elas são as descrições do momento que se passa uma ação, cada cena é representada pela mudança do foco da câmera.

Depois de aprendido os quatro conceitos considerados primordiais para escrever um roteiro – final, inicio, ponto de virada no final do Ato I e no fim do Ato II – e outras explicações, o autor diz que é possível então começar a por no papel as primeiras palavras.

Diz que é preciso escrever o roteiro por unidades (Atos).

Para escrever é recomendo usar cartões de 12×8 cm escrevendo neles as idéias de cada uma das cenas. E usar quantos cartões for preciso.

Com os cartões a possibilidade de arrumar as cenas na ordem desejada e modifica-las sempre que achar necessário se torna fácil.

Para os cartões não é preciso ter medo de cometer equívoco e para a organização de todos eles, o tempo médio, é de uma semana. Depois disso é preciso ler e reler os cartões por alguns dias para assim ir se acostumando e criando intimidade com as idéias já elaboradas. Agora, você conhece sua história do começo ao fim.

Na hora de escrever o roteiro é preciso se organizar, observar qual a melhor hora para se escrever e quantas horas estão disponíveis para isso de acordo com o seu estilo, uma hora por dia ou dez horas por dia.

Essa ação de escrever é somente sua e de mais ninguém, fique a sós com o seu papel, bloco de notas ou maquina de escrever e trabalhe. Escrever é uma tarefa cotidiana.

Geralmente problemas familiares na hora de escrever surgirão. É de se esperar que não compreendam a necessidade que tem de se concentrar e direcionar atenção, por àquelas horas, só em seu escrito.

Outra resistência para não escrever vem do seu subconsciente. A necessidade de apontar o lápis, melhorar a arrumação do ambiente dentre outras coisas surgirá. Você então deve aprender a li dar com esses momentos.

Aprender a escrever e aceitar idéias é fundamental. Se sentir vontade de montar uma cena que surgiu em sua cabeça, escreva e não se limite ou censure suas idéias, elas devem ser experimentadas.
O Roteirista não é responsável pelas posições das câmeras, e não deve se prender a isso, pois seu trabalho pode ser prejudicado.

Uma cena deve ser escrita somente sobre o plano geral, não precisa ser detalhada em cada movimento da câmera.

Algumas adaptações sobre teatro e romances a fim de escrever roteiros são fundamentais para que se crie com a exterioridade, com os detalhes da cena. O romance ou livro se torna apenas o ponto de partida, a fonte. Não é preciso se manter fiel no que está escrito.

Depois de todos esses processos de ensino o livro começa a citar quão benéfico o computador se torna na hora de escreve e até mesmo reescrever as partes do roteiro. A facilidade, a legibilidade entre outros fatores são inumeramente melhores do que na maquina de escrever.

Agora falando do computador já em uso, é necessário que este seja um instrumento somente seu, não deixe as crianças mexerem, tratando ele como um instrumento musical.

Sobre colaboração, o livro aponta a livre escolha sobre querer ou não auxilio de alguém. Existe sim a possibilidade de compor um trabalho em parceria.

Para esse tipo de trabalho se torna precioso estabelecer algumas regras da colaboração. Quem faz o que e quando, para que não seja feito duas vezes à mesma coisa.

Depois de tudo escrito é necessário que entregue esse material para leitores que não tenham medo de criticar e falar o que realmente acham do seu trabalho. Depois de tudo discutido e sua satisfação, então entregue todos os escritos para um datilografo para ele apresentar uma aparência limpa, profissional e organizada.

Para que o material então chegue às mãos de quem ira fazer a idéia funcionar é preciso estar com todos os procedimentos legais realizados e então se for um bom material terá de sobreviver então e somente a violenta corrente nesse setor, e concorrência com outros escritos.

E para finalizar o autor ainda se expressa dizendo que todos nós somos escritores só é preciso descobrir e treinar esse lado, e saber que na hora de mostrarmos nosso trabalho haverá sugestões, críticas e comentários para todos os lados e gostos.

O sucesso profissional é medido pela persistência e determinação de cada um.

O livro, Manual do Roteiro. Os fundamentos do Texto Cinematográfico, apresenta conteúdo escrito de forma simples e detalhada, apresenta uma escrita informativa sobre como organizar a escrita de roteiros seguindo passo a passo como um profissional. Serve também para incentivar e despertar pessoas a começarem a trabalhar com esse tipo de produção.

Referência:

MANUAL DO ROTEIRO: Os fundamentos do Texto Cinematográfico

Ano: 1995 Autor: Syd Field. Editora: Objetiva. Edição: 1ª

——

Enviado gentilmente pela colaboradora:

Patricia Steves de Carvalho – pattysteves@gmail.com – UNOPAR – Universidade Norte do Paraná

Published in: on 19, abril 2008 at 2:07 pm  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://cinemagister.wordpress.com/2008/04/19/manual-do-roteiro-os-fundamentos-do-texto-cinematografico/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: